ADVERTISEMENT

O que é Monero (XMR) – Guia para Principiantes + A Melhor Privacy Coin?

Comparação: Bitcoin vs. Monero

O anonimato não foi uma grande preocupação para o inventor da Bitcoin, Satoshi Nakamoto. No whitepaper da Bitcoin, Satoshi escreveu que há maneiras de preservar o anonimato:

A necessidade de anunciar todas as transações publicamente exclui esse método, mas a privacidade ainda pode ser mantida quebrando o fluxo de informações em outro lugar: mantendo as chaves públicas anônimas

No entanto, Satoshi não implementou nenhuma característica especial de privacidade. A blockchain Bitcoin é, portanto, apenas pseudo-anônima. Em princípio, cada transação da Bitcoin na blockchain pode ser rastreada por um explorador de blockchain. Embora a blockchain inicialmente só mostre o valor da transação, os endereços do remetente e do destinatário, bem como a quantidade de bitcoin no endereço, ela não fornece dados pessoais e informações sobre quem possui o endereço, a blockchain também não mostra o valor da transação. No entanto, os dados pessoais são frequentemente depositados em bolsas de valores, que podem então conectar os dados pessoais, por exemplo, a pedido de autoridades ou empresas, com os endereços da blockchain Bitcoin.

Com um pequeno trabalho de detetive, todas as transações podem ser rastreadas para entender como era o fluxo de transações. É aqui que o Monero entra. A Monero foi lançado em abril de 2014 com o objetivo de criar uma criptomoeda completamente anônima.

Você pode ver o preço atual do Monero em nossa visão geral do curso Monero. Se você quiser comprar Monero, dê uma olhada no nosso Guia de Compras Monero de 5 minutos. Se você quiser verificar o preço de Bitcoin, Ethereum, ou outros Altcoins, dê uma olhada em nossa visão geral do curso dos 2.000 Altcoins mais populares.

O que é a Monero?

A origem da Monero (XMR) está no código fonte da Bytecoin (BCN). A Monero é um hard fork da Bytecoin, uma criptomoeda que foi lançada em 2012. A Bytecoin (BCN) é baseada no protocolo CryptoNote desenvolvido em resposta à falta de anonimato e rastreabilidade da Bitcoin. A BCN foi a primeira criptomoeda a implementar o protocolo CryptoNote.

Devido a diferenças de opinião, em abril de 2014, houve um hard fork que fez a Monero (XMR) nascer. Uma forte comunidade de desenvolvedores rapidamente se desenvolveu em torno da Monero, que se tornou a chave para o sucesso da Monero. Sem uma pessoa central ou uma empresa que controle a moeda ou tenha acumulado uma grande quantidade de moedas através da pré-mineração, grandes controvérsias foram evitadas.

É objetivo da Monero desenvolver uma criptomoeda completamente anônima, como descrito, completamente no sentido dos Cypherpunks. As moedas privadas, como Monero, Dash, Verge ou ZCash, muitas vezes têm a imagem de serem usadas exclusivamente por criminosos. No entanto, esta não é totalmente verdade. Embora a XMR goza de grande popularidade na Darknet, seu impacto sobre a privacidade e segurança pessoal deve interessar até mesmo os cidadãos cumpridores da lei. Há muitas razões pelas quais certas transações pessoais ou comerciais devem permanecer privadas. Por exemplo, ninguém vai querer que ninguém além do seu banco saiba quanto dinheiro você tem na sua conta bancária. Como explicado na introdução, isso pode acontecer na Bitcoin assim que um endereço Bitcoin possa ser atribuído publicamente a alguém (por exemplo, através de uma conta pública de doação BTC, um endereço público de pagamento BTC para clientes empresariais). Pode-se também dizer que a Monero só quer transferir o anonimato do dinheiro para o mundo digital.

Por padrão, portanto, todas as transações em Monero não são rastreáveis. Nem o montante da transação, nem o endereço do remetente, nem o endereço do destinatário são visíveis ao público, pelo que não é possível determinar quem enviou o pagamento a quem.

Como funciona a Monero?

A Monero garante que as transações sejam anônimas e indetectáveis usando três tecnologias – Assinaturas em anel, Endereços ocultos e Transações confidenciais em anel – além do algoritmo CryptoNight.

Algoritmo CryptoNight e Mineração de Monero

A prova de trabalho da Monero usa o algoritmo CryptoNight da Bytecoin. Ao contrário de muitas outras criptomoedas, a Monero ainda pode ser extraída de casa. O algoritmo de mineração é adequado para GPUs e CPUs.

As ASICs foram excluídas por uma decisão da comunidade Monero depois que a Bitmain anunciou uma nova ASIC, o Antminer X3, em março de 2018. Riccardo Spagni, desenvolvedor principal da Monero, explicou que o protocolo é alterado a cada seis meses para permanecer resistente à ASIC e evitar a centralização da rede através de ASICs.

Stealth adresses

A fim de garantir o anonimato do remetente e dos endereços de destino, um novo endereço anônimo, o chamado endereço anônimo, é gerado para cada transação. Estes Stealth adresses são concebidos de forma em que apenas o próprio proprietário tenha acesso aos dados associados na cadeia de blocos Monero através da “chave de visualização privada”. Publicamente, os endereços são camuflados de tal forma que outras pessoas não conseguem reconhecer a quem uma transação foi enviada.

Ring signatures

As Ring signatures protegem o anonimato do remetente e podem ser introduzidas como misturadores. Se uma pessoa deseja enviar uma transação para outra pessoa, essa transação é dividida em partes menores. Estas peças são atribuídas a diferentes anéis, cada um com a mesma quantidade. A transação é então automaticamente misturada com muitas outras transações (“mixer”) e assinada igualmente por todos os participantes no anel. Isto significa que é impossível descobrir de qual endereço o pagamento foi originado. Devido à divisão do montante da transação, isso também não é mais compreensível. Na prática, as assinaturas em anel tornam quase impossível rastrear a origem dos pagamentos.

Ring Cinfidential Transactions

As Ring Cinfidential Transactions (Ring CT) são uma extensão das assinaturas de anel da Monero para ocultar as quantidades em cada transação (ou anel) usando criptografia. Isso era necessário porque as transações Monero eram anônimas, mas podiam ser vinculadas pela análise dos valores da transação. A Ring CT entrou em funcionamento em janeiro de 2017 e atualizou o protocolo original de assinatura de anel.

Última actualização: 06/07/2019

[ratinsg]

About Author

Jake Simmons

Jake Simmons tem sido um entusiasta de criptomonedas desde 2016, e desde que ouviu falar sobre Bitcoin e tecnologia blockchain, ele tem estado envolvido com o assunto todos os dias. Além das criptomoedas, Jake estudou ciência da computação e trabalhou por 2 anos para uma startup no setor de blockchain. Na CNF ele é responsável pelas questões técnicas. Seu objetivo é tornar o mundo consciente das moedas criptográficas de uma forma simples e compreensível.

Os comentários estão encerrados.

Libertex ribbon

Follow us to the moon!

Send this to a friend