ADVERTISEMENT

O que é Ethereum – Desenvolvimento e Guia para Principiantes

O que é a Ethereum (ETH)?

Enquanto a Bitcoin liderou a primeira geração de criptomoedas, a plataforma Ethereum com sua moeda, a Ether (ETH), representa a segunda geração de blockchains. Ao contrário da Bitcoin, a Ethereum não é apenas uma moeda alternativa ao sistema monetário Fiat, mas é um protocolo de código aberto que adiciona a possibilidade de programar aplicações descentralizadas à blockchain.

Assim como a Bitcoin, a Ethereum também é um sistema peer-to-peer (P2P) que não tem uma instância central, como um data center. A Ethereum é uma gigantesca rede global espalhada por milhares de computadores em todo o mundo. A Ethereum é, portanto, também referida como um “computador do mundo”. Ao mesmo tempo, cada computador individual, também conhecido como um nó (completo) na rede P2P, armazena uma cópia da blockchain, como na Bitcoin. O processo de verificação de cada transacção individual na rede Ethereum é igualmente assegurada pela exploração mineradora. Como recompensa pela mineração, os mineradores de Ethereum também recebem a moeda de criptografia nativa, a Ether (ETH), a moeda do ecossistema da Ethereum, em troca.

Simplificando, a Ethereum pode ser imaginada como uma “Bitcoin programável”. Para este fim, a Ethereum fornece uma blockchain com uma linguagem de programação completa (Solidez) integrada e a Turing, com a qual podem ser programados “Smart Contracts”. Isto significa que praticamente qualquer aplicação que já exista hoje de forma centralizada (Google, Facebook, WhatsApp, Ebay, Amazon, …) pode ser desenvolvida de forma descentralizada (dApp).

A vantagem é óbvia. Embora a Internet de hoje ainda seja monopolizada por algumas empresas centrais que baseiam seus modelos de negócios nos dados pessoais de seus usuários, a Ethereum é um sistema de blockchain descentralizado. Não há nenhuma empresa e nenhum intermediário que armazene todos os dados em seus centros de dados. Os usuários podem decidir livremente quais dados desejam liberar. Nenhum estranho exerce controle sobre os dados pessoais e ninguém é dono deles, exceto você mesmo.

A visão da Ethereum é permitir que usuários de todo o mundo controlem seus próprios dados através de uma plataforma de computação distribuída.

O início da Ethereum

Pela primeira vez, a Ethereum foi descrito em detalhe por Vitalik Buterin no Whitepaper da Ethereum no final de 2013. Nele, Vitalik Buterin explicou o projeto técnico, a arquitetura e as razões para o protocolo Ethereum. Um pouco mais tarde, Buterin se juntou a alguns outros desenvolvedores para implementar a ideia do Ethereum. No início ele começou a trabalhar com o Dr. Gavin Wood, que um pouco mais tarde (em abril de 2014) também publicou o Ethereum Yellow Paper. Este continha as especificações técnicas para a Máquina Virtual Ethereum (EVM).

Um pouco depois, a Ethereum foi fundada por Buterin, Woods, Mihai Alisie, Anthony Di Iorio, Joseph Lubin e Charles Hoskinson. Para financiar o desenvolvimento, a equipe decidiu realizar uma venda antecipada da Ether (ETH) e criou várias entidades jurídicas, incluindo a Fundação Ethereum em Zug, na Suíça (em junho de 2014).

Em julho de 2014, a Ethereum realizou a Initial Coin Offering (ICO) para a ETH Zurique. A Fundação Ethereum conseguiu ganhar um total de 31.591 Bitcoins no valor de mais de 18 milhões USD. As receitas foram inicialmente utilizadas para pagar faturas em aberto para as obrigações legais, bem como para os serviços de desenvolvimento abertos e futuros.

A rede Ethereum Frontier entrou em funcionamento em 30 de julho de 2015.

Smart Contracts

Os Smart Contracts enquadram-se na arquitetura da Ethereum de forma a criar a possibilidade de gerar contratos automáticos que entram em vigor após a ocorrência de uma ou mais condições. Por exemplo, um montante fixo é transferido para Ether (ETH) para o parceiro de contrato. O contrato inteligente verifica se o valor corresponde à soma acordada e libera uma parte. Os contratos são geridos pela rede e a sua conformidade é monitorada e registada. As operações podem, portanto, ser realizadas com efeitos jurídicos e sem a participação de terceiros. Os Smart Contracts constituem assim a base para poder utilizar a blockchain fora do setor financeiro.

Os Smart Contracts oferecem, assim, o potencial para transferir para o mundo digital acordos e contratos que atualmente só existem offline. A arquitetura de blockchain garante que os dados do contrato sejam armazenados confidencialmente e com integridade mantida.

A Máquina Virtual Ethereum garantirá que cada contrato ou transação na Rede Blockchain seja executada e registrada na Blockchain Pública por ambas as partes, conforme acordado. Esta automação torna os contratos “inteligentes” e, assim, abre um universo completamente novo para a responsabilidade corporativa e, portanto, uma nova economia.

Mineração de Ether

Assim como a Blockchain Bitcoin, ao Mineradora Ethereum Blockchain também precisa verificar as transações por criptografia. Os mineradores fundem as transações em blocos e as anexam à blockchain. Atualmente, isso ainda é feito por uma prova de trabalho, como é o caso da Bitcoin. No entanto, o tempo de bloqueio da Ethereum é de apenas 5 segundos. Isso significa que a cada 5 segundos é criado um novo bloco na qual as transações em aberto e os dados do Contrato Inteligente são combinados.

Como recompensa pelo seu trabalho, os mineiros recebem Ether (ETH). No entanto, é importante saber que a Ethereum mudará para uma prova de admissão em uma das próximas atualizações (“Casper“), que não requer mais nenhuma mineração. Novos Ether são então ativados proporcionalmente pela mera propriedade (“staking“). As transações são verificadas por um algoritmo de consenso, que se baseia na cota baseada em valores (em ETH) da rede. No entanto, ainda não está claro quando é que isso vai acontecer. Espera-se que haja uma mudança híbrida em que a prova de trabalho e a prova de tomada de participação existam inicialmente em paralelo.

Para evitar uma clivagem da blockchain, como foi observado na Ethereum Classic, uma “difficulty bomb“, também conhecida como “Ice Age“, foi implementada na Ethereum. A Era do Gelo Ethereum aumenta exponencialmente a dificuldade de mineração, por isso todos têm um incentivo para mudar para a prova de participação.

As quatro fases de desenvolvimento da Ethereum

O processo de introdução da Ethereum é dividido em 4 fases principais:

Fase 1: Frontier

A Frontier foi ao ar em julho de 2015 e era uma forma mais minimalista da Ethereum. Havia uma interface em torno de minas de Ether uma possibilidade de carregar e executar Smart Contracts. As trocas de moeda Crypto podem oferecer Ether pela negociação.

Fase 2: Homestead

A fase homestead foi introduzida em março de 2016, após o Frontier ter sido extensivamente testado e classificado como seguro pelos desenvolvedores do núcleo.

Fase 3: Metrópole

A fase Metrópole é dividida em duas fases: Byzantium e Constantinopla. O Hard Fork Byzantium ocorreu em outubro de 2017. A Byzantium iniciou uma série de melhorias. A maior mudança diz respeito ao Mininig. Com o upgrade, a “Difficulty Bomb” foi reduzida, mas em contrapartida a Recompensa por Bloco diminuiu de 5 para 3 Ether por bloco. O objetivo era preparar a rede Ethereum para a mudança para a prova de tomada a cargo. O upgrade de Constantinopla, que ocorreu em outubro de 2018, reduziu ainda mais a recompensa do bloco para 2 ETH. A redução da recompensa do bloco permitiu um novo atraso da Difficulty Bomb.

Fase 4: Serenity

A serenity é a quarta e última fase da Ethereum. Espera-se que a rede Ethereum mude para a Prova de Estaca e que várias soluções como o Plasma e  Sharding sejam implementadas para tornar a rede mais rápida e eficiente.

Conclusão: O Ethereum vale um investimento?

O Ethereum é a segunda maior moeda criptográfica por capitalização de mercado, e isso é por uma boa razão. A blockchain projetada por Vitalik Buterin já tem uma ampla rede de empresas que apoiam a blockchain como parte da Ethereum Enterprise Alliance. Éter (ETH) é o combustível da rede. A este respeito, o Ethereum é um investimento muito interessante.

Se você quiser ver o preço atual do Éter (ETH), basta dar uma olhada no nosso índice de preços Ethereum.

Se você está interessado em investir em Ethereum (ETH), recomendamos nosso tutorial onde e como comprar ETH.

About Author

Jake Simmons

Jake Simmons tem sido um entusiasta de criptomonedas desde 2016, e desde que ouviu falar sobre Bitcoin e tecnologia blockchain, ele tem estado envolvido com o assunto todos os dias. Além das criptomoedas, Jake estudou ciência da computação e trabalhou por 2 anos para uma startup no setor de blockchain. Na CNF ele é responsável pelas questões técnicas. Seu objetivo é tornar o mundo consciente das moedas criptográficas de uma forma simples e compreensível.

Os comentários estão encerrados.

Follow us to the moon!

Send this to a friend