ADVERTISEMENT

O que é a IOTA? A próxima geração de tecnologia de ledger distribuído

O que é a IOTA?

A IOTA é uma criptomoeda que difere significativamente de outras criptomoedas devido à sua tecnologia. Ao contrário da Bitcoin ou Ethereum, a IOTA não usa a blockchain, mas sim o chamado “tangle”. O emaranhado é uma estrutura de dados baseada no conceito matemático do Grafo Acíclico Dirigido (DAG).

A verificação das transações não é feita pelos mineradores, que agrupam as transações em blocos e as anexam ao final da cadeia de blocos. Em vez disso, a IOTA chega a um consenso sobre a rede, exigindo que cada participante que deseja realizar uma transação aprove duas transações anteriores primeiro. Esse processo garante que toda a rede chegue a um consenso comum sobre o status atual das transações aprovadas.

A recompensa pela validação das transações anteriores é a confirmação da sua própria transação por uma transação subsequente. Isto significa que nenhum minerador (como a Bitcoin) é obrigado a receber uma recompensa monetária para validar as transações. Como resultado, as transações na rede IOTA serão sempre gratuitas.

Além disso, esta arquitetura oferece outra vantagem. Enquanto a blockchain desacelera com o aumento do número de usuários, a velocidade das transações de rede na IOTA aumenta com o aumento do número de usuários. Enquanto uma blockchain trabalha sequencialmente, o Grafo Acíclico Dirigido alcança o paralelismo, permitindo que as transações sejam validadas simultaneamente. Quanto maior for o número de usuários na rede IOTA, mais seguro e rápido se torna o sistema como um todo.

Como já mencionado, não há mineração na IOTA. O resultado é que todos os 2,7 trilhões de tokens IOTA já foram gerados com o bloco Genesis. O número de moedas IOTA nunca mudará e, portanto, não é inflacionário. Você pode encontrar o preço atual da IOTA em nossa página de gráficos.

As vantagens da IOTA

  • Escalabilidade: A IOTA pode ser escalada virtualmente infinitamente. Quanto mais usuários usarem o Tangle, mais rápida será a validação das transações.
  • Sem taxas de transação: A IOTA permanecerá sempre livre de encargos.
  • Descentralização: a IOTA não requer mineradores e, portanto, evita a centralização por grandes empresas de mineração ou pools de mineração.
  • Imunidade quântica: a IOTA utilizou uma função trinária de hash especialmente desenvolvida chamada “Curl-P”, que é supostamente uma imunidade quântica.

A base da Internet das coisas

Embora a IOTA seja negociada como uma criptomoeda tradicional, ela é projetada como a base da Internet das Coisas e para transações . A visão da IOTA é tornar-se o novo padrão para transações máquina-a-máquina (M2M) e servir como base para casas inteligentes e cidades inteligentes.

A Internet das Coisas tem sido um tema cada vez mais importante durante anos, tanto na indústria como no setor privado. Espera-se que a Internet das Coisas atinja 50 bilhões de dispositivos conectados até 2020.

Nas fábricas modernas, as máquinas recolhem centenas de dados e os transmitem a outras máquinas para controlar a produção. Na agricultura, os sensores recolhem dados sobre os valores do solo e o sucesso da colheita. As máquinas agrícolas conduzem de forma autônoma e enviam dados ao agricultor. No setor privado, a pulseira fitness recolhe dados sobre o seu próprio corpo e transmite esses dados à companhia de seguros de saúde. Carros eletrônicos não devem apenas dirigir de forma autônoma, mas também pagar taxas de pedágio e seguro de automóvel próprios. O montante do seguro de automóvel depende do comportamento de condução do condutor, que é medido por sensores e transmitido à companhia de seguros.

Como os exemplos mostram, a IOTA não se limita apenas às transações monetárias, mas também pode armazenar informações dentro das transações num tangle ou mesmo distribuir e armazenar grandes quantidades de dados em várias transações.

Mesmo numa pequena rede, seja uma fábrica ou uma rede de agricultores, isto significa que potencialmente milhares de transações por segundo têm que ser executadas quando as máquinas comunicam entre si e partilham recursos.

Os custos de transação serão da gama micro. É aqui que entra a IOTA. Devido à sua arquitetura, a IOTA é ideal para micropagamentos. Quaisquer taxas cobradas pelas transações tornariam os micropagamentos inviáveis. Para servir como espinha dorsal da economia M2M, a IOTA deve, portanto, ser livre de utilizá-las.

Isto faz da IOTA a criptomoeda perfeita para a Internet das Coisas.

Fundação e ICO

O projeto IOTA foi fundado em 2015 por David Sønstebø, Sergey Ivancheglo, Dominik Schiener e Dr. Serguei Popov. No âmbito da Initial Coin Offering (ICO) realizada em dezembro de 2015, a IOTA conseguiu coletar mais de 1.300 moedas de Bitcoin (cerca de US$ 500.000). A equipe então fundou a organização sem fins lucrativos, a Fundação IOTA, com sede em Berlim, que desde então assumiu a administração do projeto.

Parcerias IOTA

Embora o projeto ainda seja muito jovem, a IOTA já pode contar com uma série de parcerias bem conhecidas, como a Fujitsu, Bosch e Volkswagen; a IOTA encontrou três parceiros de renome mundial que têm ambições de longo prazo para usar a tecnologia Tangle da IOTA. A primeira prova de conceitos já foi apresentada com sucesso pela Volkswagen e Fujitsu. A IOTA também tem uma parceria com a cidade de Taipei, a administração municipal da capital de Taiwan. O objetivo da cooperação é criar uma Cidade Inteligente.

A IOTA também fundou o “Mercado IOTA”, que inclui mais de 80 parceiros do como a Microsoft, Philips, Telekom, Fujitsu e Bosch. O objetivo da plataforma é introduzir um mercado comum de dados. Os participantes são encorajados a fornecer e compartilhar seus dados com segurança usando a tecnologia da IOTA.

Críticas à IOTA

Para proteger a rede de certos ataques, a IOTA conta atualmente com um coordenador. O coordenador verifica as transações válidas, que são validadas por toda a rede. Problemas anteriores com o coordenador levaram a comunidade criptográfica a chamar a rede da IOTA de centralizada por causa coordenador dessa pessoa. No entanto, a equipe da IOTA explicou que há planos para remover o coordenador o mais rápido possível assim que a rede for grande o suficiente.

Além disso, em agosto de 2017, a IOTA foi submetida a duras críticas por uma equipe do MIT – Massachusetts Institute of Technology. O MIT tinha publicado uma investigação que considerou a função de hash criptográfico Curl-P desenvolvida pela IOTA questionável por razões de segurança. Os investigadores descobriram que o Curl não era à prova de colisão nem pseudoaleatório. Esta grave vulnerabilidade teria permitido a falsificação de assinaturas para pagamentos da IOTA. O MIT informou os desenvolvedores da IOTA e eles corrigiram seu sistema. No entanto, os desenvolvedores da IOTA foram duramente criticados, especialmente por sua manipulação das publicações.

 

Se agora você está interessado em comprar a IOTA (MIOTA), você pode visitar nosso tutorial – como e onde comprar a IOTA.

About Author

Jake Simmons

Jake Simmons tem sido um entusiasta de criptomonedas desde 2016, e desde que ouviu falar sobre Bitcoin e tecnologia blockchain, ele tem estado envolvido com o assunto todos os dias. Além das criptomoedas, Jake estudou ciência da computação e trabalhou por 2 anos para uma startup no setor de blockchain. Na CNF ele é responsável pelas questões técnicas. Seu objetivo é tornar o mundo consciente das moedas criptográficas de uma forma simples e compreensível.

Os comentários estão encerrados.

Follow us to the moon!

Send this to a friend