Novos desenvolvimentos no caso Telegram vs. SEC

  • A Comissão de Títulos e Câmbio dos Estados Unidos (SEC) solicitou a declaração da John Hyman no âmbito de uma investigação relativa ao símbolo GRAM da Telegram.
  • A investigação visa recolher provas de que a Telegram realizou uma venda ilegal de um título.

Nas últimas semanas, a CNF tem acompanhado de perto a evolução jurídica em torno do Telegram Token GRAM. Em um novo desenvolvimento, a SEC está agora tentando reunir provas para provar que a Telegram realizou uma venda ilegal de uma segurança.

Possível testemunha chave para a SEC

No final de Novembro, a SEC deu um primeiro passo na sua investigação contra a Telegram e emitiu uma injunção contra a Telegram Group Inc. e a sua subsidiária Ton Issuer. A autoridade reguladora dos EUA acusou ambas as empresas de terem conduzido uma OIC para uma segurança não registrada. Como resultado, a SEC entrou com um processo no Southern District Court of New York.

Na semana passada, o caso tinha visto um novo desenvolvimento. De acordo com relatórios, fontes relacionadas ao CoinDesk ganharam acesso a documentos legais da SEC. Diz-se que os documentos já estão disponíveis para o tribunal de Nova Iorque.

De acordo com estes documentos, a SEC apresentou uma moção ao High Court of England para obter a cooperação de John Hyman, um antigo investidor na Morgan Stanley, residente no Reino Unido.

Diz-se que o Hyman tem informações importantes sobre o ICO da ficha GRAM. Alega-se que o banqueiro liderou a aquisição dos compradores da GRAM:

Ele se comunicou com os compradores do Gramm, confirmou os detalhes da transação e manteve os investidores informados sobre os investimentos.

Follow us for the latest crypto news!

Argumentos da SEC para classificar a GRAM como uma segurança não registrada

As evidências que suportam os requisitos da SEC consistem em uma série de e-mails para investidores americanos. Por enquanto, Hyman tem mostrado pouca vontade de cooperar com a agência dos EUA. De acordo com os documentos, porém, a SEC reuniu provas suficientes para obter o apoio jurídico da Grã-Bretanha.

O Hyman mudou-se para o Reino Unido depois de ter sido despedido pelo Telegram. Na Europa, o antigo banqueiro trabalha para a Gram Vault, uma guardiã da GRAM. Apesar de sua demissão, segundo a SEC, ele continua a atuar como intermediário entre a Telegram e as bolsas que poderiam listar a ficha. Por esta razão, Hyman é descrito pela SEC como uma testemunha muito importante que pode fornecer provas decisivas.

Além disso, a SEC alega que o Telegram token é uma segurança devido às suas propriedades intrínsecas. De acordo com a SEC, o objetivo da negociação da GRAM é gerar um lucro secundário para os investidores. Após a aquisição, os tokens são revendidos para um lucro. Este argumento da SEC não corresponde ao objectivo formulado pelo Telegram – um símbolo de utilidade para a interacção no ecossistema do Telegram.

A SEC e a Telegram deverão reunir-se no tribunal em fevereiro de 2020.

Siga-nos no Facebook e Twitter e não perca mais nenhuma notícia quente! Gosta dos nossos índices de preços?

About Author

Reynaldo Márquez tem acompanhado de perto o crescimento da tecnologia Bitcoin e blockchain desde 2016. Desde então, tem trabalhado como colunista em criptomoedas cobrindo avanços, quedas e aumentos no mercado, bifurcações e desenvolvimentos. Ele acredita que as criptomoedas e a tecnologia blockchain terão um grande impacto positivo na vida das pessoas.

Os comentários estão encerrados.