ADVERTISEMENT

Monero ou Zcash: A “privacy coin” será a moeda dominante na década de 2020 – CEO da Coinbase

  • O CEO da Coinbase prevê que uma “privacy coin”, como Monero ou Zcash, ou uma blockchain com características de privacidade incorporadas se tornará mainstream na década de 2020.
  • Um relatório recente do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) confirma a necessidade de privacidade para um sistema monetário digital.

Brian Armstrong, CEO da Coinbase, declarou em um blog recente que haverá uma necessidade de recursos de privacidade nas blockchains nesta década. Para ele, este é, além da escalabilidade, o aspecto mais importante para que nos próximos anos se consiga uma aceitação generalizada. Armstrong prevê que as blockchains “atingirão cerca de 1 bilhão de usuários até o final da década” (traduzido livremente):

Isto será feito tanto em mercados emergentes onde os sistemas financeiros são mais frágeis, como através de uma série de cripto starups que irão criar produtos que as pessoas querem. No final da década, a maioria das startups de tecnologia terá um componente criptográfico, assim como a maioria das startups de tecnologia de hoje usam a Internet e a aprendizagem de máquinas.

Armstrong prevê que as funcionalidades de privacidade serão implementadas em “uma das blockchains dominantes” em 2020. Este desenvolvimento poderia ser comparado à mudança de HTTP para HTTPS na Internet, o que significava que os dados na Internet não eram mais transmitidos sem criptografia. Ele explicou:

Assim como a Internet começou com HTTP e só mais tarde introduziu HTTPS como padrão em muitos sites, acredito que veremos em algum momento como uma “privacy coin” ou blockchain com características de privacidade incorporadas se tornará mainstream na década de 2020. Na maioria dos casos, não faz sentido transferir todos os pagamentos que você faz para uma conta transparente.

A opinião de Armstrong é consistente com um artigo recente publicado pelo altamente respeitado Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). No artigo, os autores descrevem possíveis cenários futuros para o sistema monetário de hoje e as respectivas implicações em termos de privacidade (dos pagamentos digitais).

Com a abolição do dinheiro, perde-se a privacidade

No artigo, o MIT enfatiza a grande vantagem do dinheiro: o anonimato. Esta característica do dinheiro físico, que os cartões de crédito/débito e os sistemas de pagamento eletrônico não proporcionam, representa a liberdade. Os pagamentos em dinheiro não podem ser explorados por empresas privadas para criar perfis publicitários. Os governos não podem rastrear os gastos. O dinheiro não pode ser bloqueado como um cartão de crédito. O MIT afirma sobre isso:

Não devemos tomar esta liberdade como garantida. Grande parte do nosso comércio hoje ocorre online. Depende dos bancos e das empresas de tecnologia financeira que actuam como intermediários.

Jerry Brito, CEO da Coin Center, em um relatório recente chamou para o desenvolvimento e promoção do dinheiro eletrônico que seja tão privado quanto o dinheiro físico. Não deve ser necessária permissão para o seu uso, disse Brito:

Sem dinheiro, não há o tipo de dignidade que preserva a privacidade numa sociedade aberta.

A maioria dos sistemas de pagamento eletrônico existentes, tais como Alipay, Zelle ou PayPal, são operados por empresas privadas. Estas empresas recolhem dados dos utilizadores e vendem-nos a outras empresas. A criptomoeda do Facebook, Libra, pode não ser muito diferente. Como é bem conhecido, inúmeros escândalos de dados já foram descobertos no Facebook.

Monero ou Zcash como uma solução para o dilema da privacidade?

Em contraste, criptomoedas como o Bitcoin oferecem soberania sobre os próprios dados. As transações são pseudo-anônimas. Isso significa que, embora sejam públicas, os usuários não revelam quem realmente são. Nos últimos anos, no entanto, as autoridades em todo o mundo têm se tornado cada vez melhores no rastreamento de transações em blockchains públicas.

A Europol confirmou recentemente que as transações Bitcoin e Ethereum podem ser rastreadas, enquanto as transações Monero (XMR) são completamente anônimas. Este anonimato não está de forma alguma sempre relacionado com a criminalidade e o crime. Como afirma Robleh Ali, um pesquisador da Digital Currency Initiative no MIT, a única coisa que importa é a liberdade e a privacidade de uma pessoa.

Por isso, ele pede que os sistemas de moeda digital sejam projetados pelos bancos centrais de tal forma que o governo se torne “cego” para a informação. Tecnicamente, ele propõe “zero-knowledge proofs”, que são usadas pelo Zcash (ZEC) para proteger informações de transações em blockchain público. Entretanto, como o MIT também afirma, a implementação é bastante improvável:

No entanto, não há indicação de que algum governo esteja mesmo considerando o uso de tais ferramentas. E, independentemente disso, qualquer governo – mesmo o governo sueco – pode realmente ser confiável para se cegar?

Portanto, como escreve Armstrong, as criptomoedas que protegem a privacidade do usuário podem entrar no mainstream nos próximos anos. Mas o caminho para isso não vai ser fácil. Nos últimos meses, as privacy coins (moedas de privacidade) foram removidas de muitas bolsas de criptomoedas porque não cumprem as diretrizes globais da KYC e da AML que exigem que os governos rastreiem todas as transações.

Siga-nos no Facebook e Twitter e não perca mais nenhuma notícia quente! Gosta dos nossos índices de preços?

About Author

Jake Simmons

Jake Simmons tem sido um entusiasta de criptomonedas desde 2016, e desde que ouviu falar sobre Bitcoin e tecnologia blockchain, ele tem estado envolvido com o assunto todos os dias. Além das criptomoedas, Jake estudou ciência da computação e trabalhou por 2 anos para uma startup no setor de blockchain. Na CNF ele é responsável pelas questões técnicas. Seu objetivo é tornar o mundo consciente das moedas criptográficas de uma forma simples e compreensível.

Os comentários estão encerrados.