Fundação IOTA e TMEA desenvolvem pipeline de dados para a África Oriental

  • Como parte da parceria estratégica com a organização TradeMark East Africa, a Fundação IOTA está a trabalhar no Trade Logistics Information Pipeline (TLIP).
  • O pipeline de dados baseado no Tangle visa melhorar o comércio dos países da África Oriental com parceiros comerciais estrangeiros.

Num vídeo de atualização a Fundação IOTA deu ontem uma atualização sobre a sua parceria estratégica com a TradeMark East Africa (TMEA). A parceria tornou-se pública há apenas um mês e tem como objetivo melhorar o comércio na África Oriental utilizando a tecnologia Distributed Ledger da IOTA. A TradeMark East Africa (TMEA) é uma das organizações mais respeitadas na região da África Oriental e é conhecida mundialmente pelo seu trabalho para melhorar a subsistência através da melhoria das condições comerciais.

IOTA e TMEA desenvolvem um pipeline de dados para África Oriental

Um primeiro projeto no qual a Fundação IOTA e a TMEA estão a trabalhar é o Trade Logistics Information Pipeline (TLIP), que visa criar uma “rodovia tecnológica de interconectividade” através da qual empresas da África Oriental e agências governamentais possam se comunicar entre si e com parceiros internacionais de forma transparente e segura. Como indicado na página do projeto TLIP, ele está a ser desenvolvido pelas autoridades financeiras da região, agências governamentais parceiras e pela Fundação IOTA. Esta última anunciou sobre o TLIP via Twitter:

O Trade Logistics Information Pipeline (TLIP) – um pilar essencial da nossa parceria c/@TradeMarkEastA – visa criar mais confiança e visibilidade na cadeia de suprimentos global para as empresas africanas.

O Trade Logistics Information Pipeline (TLIP) visa melhorar a troca de informações entre os atores do comércio além das fronteiras, removendo documentos em papel propenso à fraude da cadeia de suprimentos, mantendo assim a integridade das informações e eliminando procedimentos de verificação demorados por parte das autoridades. O TLIP também fornecerá uma forma transparente, eficiente e económico de gerir informações comerciais além-fronteiras através do uso de acordos bilaterais de troca de informações entre a África Oriental e os seus parceiros comerciais estrangeiros.

Estudos demonstraram que as mercadorias da África Oriental necessitam de mais tempo para serem desembaraçadas nos portos europeus, devido à documentação não transparente. Por exemplo, o café brasileiro é liberado para a Europa mais rapidamente do que o café ugandês. A principal razão para a diferença é o processo de documentação que o café ugandense tem que passar em comparação com outros categorias de café.

A TLIP tem como objetivo abordar esta discrepância de modo a fornecer às autoridades e empresas européias informações confiáveis em tempo real sobre o conteúdo e as exportações de café da Uganda. Jens Munch Lund-Nielsen, da Fundação IOTA, explicou os objetivos do Trade Logistics Information Pipeline:

A tecnologia que utilizamos com o Distributed Ledger é sem permissão e sobre trazer confiança a todos os atores para que eles confiem uns nos outros quando trocam os dados. O custo do comércio internacional tem um enorme custo de mercadorias, o custo de mercadorias tem um enorme custo de quantos empregos e quanto podemos comprar. O projeto Tulip em que estamos a trabalhar no Quénia terá um enorme impacto sobre os comerciantes no Quénia. Encurta o tempo para atravessar fronteiras, elimina falhas, torna muito mais barato para os produtos no exterior.

Segundo o site da TLIP, o projeto tem um valor total de cerca de 4 milhões de dólares e será implementado entre 2019 e 2020. Abaixo encontrará o vídeo da TLIP compartilhado ontem pela Fundação IOTA.

Siga-nos no Facebook e Twitter e não perca mais nenhuma notícia quente! Gosta dos nossos índices de preços?

About Author

Jake Simmons tem sido um entusiasta de criptomonedas desde 2016, e desde que ouviu falar sobre Bitcoin e tecnologia blockchain, ele tem estado envolvido com o assunto todos os dias. Além das criptomoedas, Jake estudou ciência da computação e trabalhou por 2 anos para uma startup no setor de blockchain. Na CNF ele é responsável pelas questões técnicas. Seu objetivo é tornar o mundo consciente das moedas criptográficas de uma forma simples e compreensível.

Os comentários estão encerrados.