A demanda por Bitcoin em países em crise está crescendo

  • A demanda por Bitcoin está crescendo em países com economias fracas, como Argentina ou Venezuela.
  • A Venezuela teve o maior aumento no volume de transações da Bitcoin na América do Sul.

Ao longo de 2019, foi possível ver como certas regiões do mundo vivenciaram uma instabilidade crescente. A América Latina, por exemplo, tem visto meses de protestos resultantes do descontentamento econômico das pessoas.

No Equador, Chile, Argentina e Venezuela, as pessoas saíram às ruas por razões diferentes e complexas para exigir mudanças. Embora a realidade em cada um desses países seja única, o nome de um possível salvador está começando a surgir em todos eles: Bitcoin.

Bitcoin é uma âncora em países com economias fracas

Dos países acima mencionados, a Venezuela e a Argentina viveram uma situação econômica particularmente difícil nos últimos anos. Ambos os países apresentam as taxas de inflação mais elevadas da região e, no caso da Venezuela, as mais elevadas do mundo.

A situação política da Argentina é, sem dúvida, um dos catalisadores mais importantes para a deterioração da sua economia. Tendo em conta a transição política liderada pelo recém-eleito Presidente Alberto Fernández, o preço do peso argentino está a perder terreno em relação ao dólar americano. A situação obrigou o atual governo a tomar medidas extremas, como a redução das compras individuais de dólares de 10.000 para 200 dólares americanos.

Embora seja uma medida razoável para evitar o agravamento da crise, esta ação é foco de críticas dos governos centrais por parte da comunidade criptográfica. A restrição da liberdade econômica, a desvalorização do valor da moeda nacional e a crescente incerteza sobre o que virá depois da mudança política levantam a questão de quais outras alternativas estão disponíveis.

A evolução atual mostra que os argentinos estão usando Bitcoin como alternativa para superar a crise que seu país atravessa. O Bitcoin permite que eles mantenham sua liberdade e decisão sobre em que podem gastar seu dinheiro sem ter que limitar o número de operações.

Bitcoin, Venezuela e Sanções dos EUA

Portanto, não é coincidência que algo semelhante esteja acontecendo na Venezuela. Lá, a crise é mais dramática e se agrava. Essa é precisamente a razão que levou a uma maior aceitação e demanda por Bitcoin.

CryptoWelso” enfatiza isso em sua conta no Twitter. No gráfico a seguir, o trader e analista também mostra como o aumento da demanda por Bitcoin corresponde a países que sofrem de volatilidade econômica e política:

O colapso da economia venezuelana, como pode ser visto no gráfico, é inversamente proporcional às transações em Bitcoin. A Venezuela tem o maior volume de transações de Bitcoin da região e atingiu um nível recorde em outubro, o que corresponde ao nível da crise.

Neste período, o Banco Central da Venezuela publicou números que confirmam o nível da desaceleração econômica: No primeiro trimestre de 2019, o PIB diminuiu 23% e o setor petrolífero, que responde pela maior parte da moeda estrangeira importada no país, 19%.

Globalmente, os dados do BCV (Banco Central da Venezuela) estimam o colapso da economia venezuelana desde 2014 em 63%. Os números também mostram como a recessão econômica precedeu as sanções dos EUA.

O governo tentou introduzir uma criptomoeda, o chamado “Pedro”, que é administrado pelo banco central do país. O Pedro serve como uma unidade de conta ancorada nas reservas nacionais de petróleo e pode servir como uma alternativa para os cidadãos comprarem, salvarem e realizarem transações em moedas como o dólar ou o euro. Até agora, a medida parece ser ineficaz, provavelmente porque o “Petro” não tem todas as vantagens da Bitcoin (transparência, descentralização, liberdade e confiança).

O preço volátil da Bitcoin

O aumento do preço da Bitcoin pode ser causado por esse aumento na demanda. No momento em que escrevemos este artigo era de $9.141,01 com uma perda de -1,80% nas últimas 24 horas.

About Author

Reynaldo Márquez tem acompanhado de perto o crescimento da tecnologia Bitcoin e blockchain desde 2016. Desde então, tem trabalhado como colunista em criptomoedas cobrindo avanços, quedas e aumentos no mercado, bifurcações e desenvolvimentos. Ele acredita que as criptomoedas e a tecnologia blockchain terão um grande impacto positivo na vida das pessoas.

Os comentários estão encerrados.