O comércio de Bitcoins atinge todos os tempos altos na Argentina e na Venezuela

  • Argentina estabelece um novo recorde em seu comércio com a Bitcoin. Coin Dance o coloca em 30 BTC, mais de 260 mil USD.
  • A Venezuela impõe o uso do Petro (PTR) a seus cidadãos na tentativa de aliviar a crise econômica.

A adoção do Bitcoin continua a aumentar na Argentina, no mesmo ritmo da incerteza econômica. Isto é demonstrado pelos novos dados publicados pela Coin Dance. O país sul-americano registra um novo recorde em seu comércio com a Bitcoin.

Em meio a uma crise econômica, segundo a CNF, os cidadãos se voltam para a Bitcoin como uma reserva de valor. Uma situação semelhante ocorre com a Venezuela. Ambos os países alcançaram um novo recorde comercial com a Bitcoin no domingo, 10 de novembro.

Argentina impõe restrições ao comércio de Bitcoins

Imediatamente após as eleições de outubro, o governo da Argentina mudou sua política cambial. As novas restrições proibiram os cidadãos de gastar mais de US$ 200 por mês. Para as moedas criptográficas, a proibição era total. Os argentinos, em teoria, não podiam comprar Bitcoin com seus cartões de crédito.

Apesar disso, o volume de Bitcoin negociado na bolsa Localbitcoins vem aumentando. Na Argentina, o recorde comercial foi de 19 milhões de pesos argentinos. Enquanto na Venezuela foram negociados 142 bilhões de bolívares soberanos.

Embora em moeda local o aumento seja significativo, o volume de Bitcoin manteve-se praticamente igual ao de outros períodos. Este é um indicador de que as moedas de ambos os países continuam se desvalorizando diante de suas situações econômicas.

As moedas locais registraram um volume na Argentina de cerca de 30 BTCs, cerca de 200 mil dólares americanos. Na Venezuela, o volume ainda é muito maior, chegando a mais de 600 BTCs. Estima-se que 5 milhões de dólares.

Por causa do cenário inflacionário em cada um desses países, os cidadãos recorrem à Bitcoin como reserva de valor. Acima de tudo, porque podem acessar a moeda criptográfica sem ter que recorrer a um intermediário. Ao fazê-lo, evadem as restrições e limitações impostas pelos governos locais.

Follow us for the latest crypto news!

Venezuela: segunda rodada da Petro e Bitcoin

O governo venezuelano foi o primeiro a abordar as moedas criptográficas como forma de evitar as sanções americanas. O Petro (PTR) foi anunciado no ano passado como uma moeda criptográfica “ancorada no valor do barril de petróleo”. Desde então, tem se mostrado ineficaz.

No entanto, o governo venezuelano fez um novo anúncio sobre o Petro (PTR) na semana passada. A moeda digital emitida pelo banco central do país deve ser usada por todos os cidadãos para realizar operações dentro do território venezuelano. Por enquanto, não está claro como essa medida será executada e qual será seu efeito sobre o volume comercial da Bitcoin na Venezuela.

Recentemente, a Turquia e a China preparam-se para lançar as suas próprias moedas digitais. A Lira e o Yuan digital podem ser novos atores que mudarão o cenário atual do mercado. A China, acima de tudo, parece estar preparando seus cidadãos para adotar suas moedas digitais mais amplamente do que projetos similares.

O preço do Bitcoin, no momento da publicação, é de US$ 8.753 e continua sua tendência lateral (-1,14%) nas últimas horas.

Siga-nos no Facebook e Twitter e não perca mais nenhuma notícia quente! Gosta do nosso esboço de curso?

About Author

Reynaldo Márquez tem acompanhado de perto o crescimento da tecnologia Bitcoin e blockchain desde 2016. Desde então, tem trabalhado como colunista em criptomoedas cobrindo avanços, quedas e aumentos no mercado, bifurcações e desenvolvimentos. Ele acredita que as criptomoedas e a tecnologia blockchain terão um grande impacto positivo na vida das pessoas.

Os comentários estão encerrados.