Ataque contra a indústria cripto? Ações coletivas contra TRON, EOS, Binance, BitMEX

  • O notório escritório Roche Cyrulnik Freedman entrou com 11 ações coletivas contra conhecidas empresas de criptomoedas de 42 países nos Estados Unidos, na sexta-feira.
  • Entre as empresas processadas por compensação pela venda de títulos não registrados estão a Fundação TRON, Block.One (EOS), Binance e BitMEX.

No estado de Nova York, EUA, 11 ações coletivas foram movidas na sexta-feira contra bolsas e empresas que desenvolvem criptomoedas no que parece ser uma greve coordenada contra a indústria criptomoedas. As ações foram movidas por Roche Cyrulnik Freedman, o mesmo escritório que está a acompanhar a ação da Kleiman contra o autoproclamado inventor da Bitcoin Craig Wright e a ação de manipulação de mercado contra a Bitfinex.

As ações coletivas são movidas contra Binance, TRON Foundation, Block.one (EOS) Civic, BProtocol, Status, KayDex, Quantstamp, BiBox, KuCoin e HDR Global Trading, a operadora da bolsa de derivativos BitMEX. Além disso, os processos citam explicitamente os principais executivos das empresas, incluindo Justin Sun, o CEO da Fundação TRON, Brendan Blumer, o CEO do Block.one, Vinny Lingham, o CEO da Civic, Arthur Hayes, o fundador da BitMEX, e o fundador da Binance, Changpeng Zhao.

Em essência, todos os processos acusam as empresas de violar a lei de valores mobiliários dos EUA, emitindo ou vendendo títulos não registrados. Tanto os emissores quanto as bolsas são acusados de explorar a falta de entendimento dos investidores sobre como funcionam as criptomoedas. Além disso, as empresas são acusadas de ter disfarçado a obrigação de registro, promovendo as criptomoedas como símbolos de utilidade e comparando-as com Bitcoin e Ethereum, que não são consideradas valores mobiliários pelas autoridades americanas.

As ações judiciais contra TRON, Binance e BitMEX

Em detalhes, as reclamações individuais diferem um pouco uma da outra. Por exemplo, a Fundação TRON é acusada de que os réus, o fundador Justin Sun, CTO Zhiquiang Chen e a Fundação Tron têm “patrocinado, oferecido e vendido” títulos Tron, também conhecidos como TRX tokens, em todos os Estados Unidos, violando as leis de valores mobiliários de junho de 2017 até o presente.

[…] a produção dos tokens TRX foi, portanto, um processo centralizado, ao contrário do Bitcoin e do Ethereum. No entanto, isto não foi aparente quando os tokens foram emitidos para um investidor razoável. Ao contrário, um comprador razoável só poderia saber que havia adquirido um título após o tempo decorrido e após a divulgação de informações adicionais sobre a intenção do emissor, o processo de gestão e o sucesso em possibilitar a descentralização.

A ação judicial contra a HDR Global Trading, operadora da bolsa de derivativos BitMEX, inclui a alegação de que ela vendeu títulos com EOS e o Status Token (SNT) sem se registrar como bolsa de valores. A operadora BitMEX também é acusada de manipulação de preços. Neste sentido, a denúncia alega que a BitMEX utilizou a sua mesa de operações proprietária para negociar contra os seus próprios clientes. Como exemplo, a ação cita o notório incidente do último crash do Bitcoin, em 12 de março, quando o Bitcoin caiu para USD 3.700 e o BitMEX ficou offline.

O BitMEX se comporta como um cassino com dados carregados, manipulando tanto seus sistemas quanto o mercado que seus clientes utilizam para seus próprios ganhos financeiros substanciais.

Já o processo contra o Binance não envolve manipulação de preços, mas o Changpeng Zhao e a bolsa são acusados de vender 12 títulos não registrados, incluindo EOS, Bancor Token (BNT) e Status Tokens (SNT).

Embora não sejam conhecidos números exatos sobre o número de demandantes, o processo de Binance estima o número em “dezenas de milhares”, com indemnização por “milhões de transações” nos últimos três anos.

Siga-nos no Facebook e Twitter e não perca mais nenhuma notícia quente! Gosta dos nossos índices de preços?

About Author

Jake Simmons tem sido um entusiasta de criptomonedas desde 2016, e desde que ouviu falar sobre Bitcoin e tecnologia blockchain, ele tem estado envolvido com o assunto todos os dias. Além das criptomoedas, Jake estudou ciência da computação e trabalhou por 2 anos para uma startup no setor de blockchain. Na CNF ele é responsável pelas questões técnicas. Seu objetivo é tornar o mundo consciente das moedas criptográficas de uma forma simples e compreensível.

Os comentários estão encerrados.